Minhas descobertas na SP-Arte

A SP-Arte é uma feira brasileira de arte contemporânea super importante que começou quinta passada e terminou domingo em SP. Várias galerias nacionais e internacionais participam mostrando os trabalhos de seus artistas, incluindo performances e instalações feitas especialmente para o evento. 

Apesar de não estar em SP acompanhei avidamente a feira pelo snapchat, Instagram, Periscope e Twitter e deu para fazer várias descobertas artísticas que compartilho nesse post com vocês ;)

Adoro a pluralidade da arte contemporânea, a forma como ela se expressa nos mais diferentes meios e seus significados quase infinitos. Acho que a SP-Arte é bem completa nesse sentido, dando atenção, e espaço, para cada um. 

SP-Arte

Começando pela Ciclotrama da Janaina Mello. A corda que vai sendo desfeita e gerando ramificações traz vários significados. Para mim fica a ideia dos caminhos que vão se abrindo e, mesmo levando para direções opostas, estão sempre conectados.

As paisagens flutuantes do Jorge Mayet não são bem uma descoberta para mim, já tinha visto na galeria Inox, que representa o artista aqui no Rio, mas é tão impactante que merece espaço aqui no post... E se na foto já parece incrível pessoalmente é 1.000 vezes melhor. Vale a visita, de verdade!

Arte em Neon eu AMO, essa do Alfredo Jaar parece que foi feita especialmente para o nosso momento político. I can't go on/I'll go on faz menção aos latino americanos que enfrentam todas as dificuldades de seus países.

O Miguel Rio Branco eu conhecia do Inhotim mas achei essa foto mais delicada do que tinha visto no museu. E já que estamos falando de fotos também amei o trabalho da Adriana Duque

Agora o mais difícil: Nem sei como começar a falar desse quadro do Nuno Ramos. Acho que poderia ficar horas olhando, decifrando. Gosto cada vez mais de arte abstrata, em especial das com emoção, quando tem muita coisa acontecendo. Essa parece uma explosão mas ao mesmo tempo é suave.

Os dois últimos quadros, também abstratos, tem em comum o uso de tons de cores que eu adoro(vocês tem tons de cores preferidos? Engraçado que os tons que amo na arte não são necessariamente os que amo no resto da vida hahaha Vai entender...)e nuances, camadas e movimento. Adorei ter descoberto o trabalho da Gabriela Machado, tinha obras dela em mais de uma galeria na feira. O Pablo Ferreti também tinha outros quadros incríveis, já estou acompanhando o trabalho dos dois.

Na próxima edição da feira quero muito ver tudo pessoalmente!